Siga-nos

Dunquerque

21 jul Dunquerque

No momento em que o mundo estava de joelhos e perplexo pela invasão da França, os ingleses iniciaram a maior retirada militar do século XX, que marcou um momento muito delicado da 2ª Grande Guerra.

Em 10 de maio de 1940, os Alemães em uma manobra incrível, evitaram a coluna Maginot na fronteira oriental da França e atacaram através das colinas Ardenas, antes considerada impenetrável pelos franceses.

Resultado; os ingleses, com apenas duas semanas do início da campanha militar, foram perigosamente cercados e resolveram, isoladamente, bater em retirada deixando a França jogada a sua própria sorte.

Os Franceses, obviamente, enfureceram pela suposta retirada. Eles estavam extremamente fragilizados e contavam as horas para uma inevitável rendição.

Mesmo que esta manobra tenha salvo milhares de vidas francesas (ao total 140 mil pessoas), os ingleses foram duramente criticados pela França. Pois no momento da fuga, estavam numa enorme operação contra as forças invasoras.

Num ato de bravura, toda sociedade Inglesa, foi mobilizada durante 9 dias para salvar um contingente de aproximadamente 400 mil homens. Foram convocados todos os barcos, civis e militares, ingleses para viabilizar o transporte das tropas para Inglaterra.

Fato somente superado em escala pelo dia D., a diferença gritante é que invasão da Normandia foi criteriosamente preparada durante meses e Dunquerque foi planejada em um dia. A operação cobrou seu custo e 200 embarcações afundaram neste processo.

O grande player deste palco de batalha foi Sir Winston Churchill, que havia subido ao comando no mesmo dia da invasão alemã e confessou que Dunquerque havia sido um “desastre militar colossal”. Entretanto, a primeira grande batalha aérea da guerra tinha sido ganha pela RAF (Royal Air Force), pois tinha permitido a fuga dos navios.

Operação Dynamo, como também era chamada, havia mostrado que os britânicos não seriam facilmente conquistados e a sociedade inglesa demonstrava do que era capaz, com seu imenso espírito de mobilização e combate.

Os Nazistas tinham seu medo, de invadir, justificado. Se invadissem a Inglaterra, teriam que tomar casa por casa, sob alto custo militar. Muito diferente da resistência que eles encontraram na França.

Autor: Luiz Barros.

Fonte: Livro – 1000 Ans de Mésentente Cordiale, Stephen Clarke – Autor e Jornalista Britânico.

Sem comentários

Adicione um comentário